Jânio Natal pode perder foro privilegiado ao ser julgado pelos crimes de responsabilidade

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) ainda não tem um posicionamento sobre se o deputado estadual Jânio Natal (Podemos) terá foro privilegiado ou não ao ser julgado pelos crimes de responsabilidade que teriam sido cometidos enquanto ele era prefeito de Porto Seguro, no extremo sul do estado. O deputado responde a três ações penais no TJ por dispensar ou não exigir licitação para prestação de serviços enquanto era prefeito, entre 2005 e 2008.

Desde que o Supremo Tribunal Federal (STF) restringiu o foro, o TJ baiano discute em quais casos as medidas são aplicadas. Para os crimes cometidos antes do mandato por prefeitos, o entendimento já é pacificado de que os denunciados não têm prerrogativa de foro e devem ser julgados em primeira instância. O entendimento começou a ser construído na Corte baiana nos votos do desembargador Júlio Travessa, quando remeteu processos envolvendo prefeitos para a 1ª Instância.

Em junho de 2018, uma questão de ordem foi suscitada no Pleno para discutir a questão. O processo é relatado pelo desembargador Pedro Guerra, que pediu manifestação do Ministério Público da Bahia (MP-BA) e da defesa do deputado sobre o assunto (saiba mais). Este processo deve ser pautado para votação no pleno para após o Carnaval deste ano. No caso relatado pelo desembargador, Jânio Natal foi denunciado por contratações temporárias de servidores fora das hipóteses legais previstas. A denúncia, no entanto, foi oferecida quando Natal era deputado federal. O caso chegou a parar no Supremo Tribunal Federal (STF), mas voltou para o TJ-BA quando o parlamentar deixou o Congresso para integrar a Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). Na sessão realizada em junho do ano passado, Travessa já sinalizava que a questão deveria ser discutida naquele momento e que o TJ não deveria esperar o STF julgar um caso concreto envolvendo deputado estadual.

A questão foi novamente colocada em pauta na sessão plenária desta quarta-feira (13), quando um processo contra Jânio, relatado pelo desembargador Nilson Castelo Branco, foi chamado. O desembargador Sérgio Cafezeiro, que havia pedido vista anteriormente, liberaria seu voto. O relator lembrou que o caso é muito similar ao relatado por Pedro Guerra. Travessa invocou novamente uma questão de ordem neste segundo processo. Castelo Branco lembrou que o crime aconteceu quando o réu era prefeito e que posteriormente virou deputado. A questão reforçou a dúvida da Corte se o caso deve ser mantido no Pleno, julgado em uma Câmara Criminal ou remetido para 1ª Instância. Mesmo com a dúvida, os desembargadores Júlio Travessa e Aberlado da Mata já votaram pela descida dos autos por não haver foro neste caso, pois os crimes não foram cometidos enquanto deputado. O relator Nilson Castelo Branco pediu que o julgamento fosse transformado em diligência e vai esperar uma manifestação da defesa e do MP sobre o foro para então proferir seu voto.

Procurado pelo Bahia Notícias, o Ministério Público do Estado da Bahia informou que o tema da prerrogativa de foro ainda está em depuração nas decisões dos diversos Tribunais, mas que “há inegável e forte tendência que aponta para a direção de que a competência por prerrogativa de foro esteja associada ao efetivo exercício da função e também que a imputação guarde relação com a mesma”. “No caso específico apontado, como em todos dos demais, o Ministério Público acompanha vigilantemente as decisões judiciais correlatas, bem como permanece atento a eventual deliberação do Congresso Nacional sobre o tema”, disse a instituição, em nota.

OS PROCESSOS

O caso concreto do processo relatado pelo desembargador Nilson Castelo Branco foi movido pelo MP-BA diante da contratação de um escritório de advocacia sem licitação (confira aqui). O crime teria ferido a Lei de Licitações, com pena de 3 a 5 anos de detenção, mais pagamento de multa. A Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Bahia (OAB-BA) é amicus curiae nesta ação e defende a legalidade da contratação de advogados sem licitação. O valor do contrato era de R$ 580 mil, quando a previsão orçamentária da prefeitura era de R$ 180 mil. A defesa do deputado alega que a contratação do escritório especializado gerou um ganho de R$ 11 milhões para o Município na venda da folha de pagamento da prefeitura para uma instituição financeira. Este processo, cadastrado em outubro de 2015, já foi adiado mais de 20 vezes na pauta de julgamento do Pleno do TJ-BA, adiado duas vezes por pedido de vista e retirado de pauta três vezes, sendo a última para diligência na sessão de quarta-feira (13).

Na ação relatada pelo desembargador Pedro Guerra, Jânio é acusado de realizar contratação de mais de 150 servidores temporários sem concurso público entre os anos de 2006 e 2007. A defesa pediu a rejeição da denúncia por apresentar os mesmos fatos de outra ação penal contra Jânio Natal, que prescreveu em fevereiro de 2015. Na época em que reconheceu a prescrição, a desembargadora Rita de Cássia assinalou no acórdão que era “lamentável verificar que delitos desta natureza tragam em seu preceito secundário penas incompatíveis com as consequências sociais geradas por tais práticas, sendo a pretensão punitiva comumente fulminada pela prescrição, o que inviabiliza a sua efetiva apuração”. No voto, ela ainda apontou que, na época, mais de 70% da despesa com pessoal do Município era destinada ao pagamento dos funcionários temporários. O processo, inicialmente, tramitou no STF, enquanto Jânio Natal era deputado federal. Quando findou o mandato, o ministro Gilmar Mendes determinou a descida dos autos para o TJ-BA.

O terceiro processo é relatado pelo desembargador Carlos Roberto. A denúncia foi recebida pelo plenário do TJ em novembro de 2016. As acusações também são por lesão a Lei de Licitações. A denúncia do MP indica que o Jânio, também como prefeito, não exigiu licitação para contratações de shows e artistas para festas juninas e aniversário da cidade, nos meses de junho e julho de 2006, no valor aproximado de R$ 415 mil. A denúncia diz que houve um ajuste entre o prefeito e uma empresa de eventos para contratar as atrações. Além disso, teve compra de materiais de limpeza, hospitalares, de informática, entre outros, no valor de R$ 62 mil. A defesa também alegou nulidade do processo e que houve cerceamento de defesa. O relator entendeu que não havia vícios processuais. O mau uso da verba foi detectado pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

Em maio de 2017, um processo contra Jânio Natal, relatado pelo desembargador Baltazar Miranda, prescreveu por erro de competência. O processo, posteriormente, foi distribuído para o desembargador Júlio Travessa (veja aqui). Neste caso, Jânio foi acusado pelo MP de não comprovar despesas em um total de R$ 90,5 mil, não realizar licitação de R$ 1,1 milhão, e por ausência de licitação por fragmentação do objeto no valor de R$ 53 mil. Ainda foram constatados gastos excessivos com combustível, material gráfico, locação de máquinas, veículos, equipamentos, publicidade, serviços contábeis e de informática, além de outros serviços de assessoria e consultoria, assim como irregularidade na aquisição de gêneros alimentícios, tendo como credora a empresa Betopão Comercial Ltda. Também foram identificadas despesas excessivas com telefonia celular para servidores municipais e pagamentos de diárias a servidores sem a respectiva comprovação. Os crimes teriam ocorrido no último ano de gestão de Jânio Natal como prefeito de Porto Seguro, no extremo sul da Bahia, em 2008. 

Outras Notícias

Itabela: Ex-prefeito terá de devolver R$ 22,9 milhões por irregularidades em gestão

O ex-prefeito de Itabela, na Costa do Descobrimento, sul baiano, Paulo Ernesto Pessanha da Silva, terá de devolver, d...

*Vereador Rodrigo Borges é o novo líder do governo na Câmara*

*Vereador Rodrigo Borges é o novo líder do governo na Câmara*A prefeita de Porto Seguro, Cláudia Oliveira, definiu o ...

Eleições municipais 2020 podem ser adiadas por causa do coronavírus?

Depois que parte dos deputados passou a cogitar o adiamento das eleições municipais de 2020 por causa da crise do nov...

Prefeita Cláudia Oliveira assina ordem de serviço para nova etapa de pavimentação em Pindorama

A prefeita de Porto Seguro, Cláudia Oliveira, esteve neste sábado, 14/3, no distrito de Pindorama, assinando a ordem ...

Cláudia Oliveira conversa com dono de site, diz que não autorizou conversa sobre aliança com os Pinto, e que óleo e água não se misturam

O proprietário do site namidianews, Luzio Nunes publicou nesta segunda-feira, 10, que recebeu telefonema da prefeita ...

Transporte escolar de Porto Seguro passa por vistoria

Todos os veículos – ônibus, vans e kombis – que realizam o transporte dos alunos da rede municipal de ensino de Porto...

Prefeitura de Porto Seguro melhora coleta de lixo em Caraíva

Para aperfeiçoar a coleta de lixo no distrito de Caraíva, a Prefeitura de Porto Seguro melhorou a logística de escoam...

TJ-BA mantém ação de improbidade contra ex-prefeito de Porto Seguro

O recurso de Gilberto Pereira Abade, ex-prefeito de Porto Seguro, que buscava suspender uma ação civil pública m...

Vereador pode se candidatar quantas vezes?

Para quem não sabe, vereador pode se candidatar quantas vezes quiser. Contando que ele esteja apto a se candidatar de...

Belmonte – Coelba corta energia da prefeitura e secretarias

Na tarde desta sexta feira 27 de dezembro de 2019 a COELBA cortou a energia elétrica da prefeitura e secretarias de B...

Contas da Prefeitura de Porto Seguro do exercício de 2018 são aprovadas

A Prefeitura de Porto Seguro teve as contas referentes ao exercício de 2018 aprovadas pelo Tribunal de Contas nesta t...

Roni Guerra inova, e dá exemplo para o país ao renunciar o bilionário fundo eleitoral

O pré-candidato a prefeito de Porto Seguro, Roni Guerra (PTB), protocolou no cartório de notas local, nesta quinta-fe...

Prefeitos de Belmonte, Itamaraju, Medeiros Neto e Vereda terão de enviar dados ao TCM

Os prefeitos de Belmonte (Janival Andrade), Itamaraju (Marcelo Angênica), Medeiros Neto (Jadina Paiva Silva) e Vereda...

Itabela: Prefeitura tem contas rejeitadas pelo TCM

As contas da prefeitura de Itabela relativas ao exercício de 2018 e de responsabilidade do prefeito Luciano Francisqu...

Secretaria de Saúde contará com novo aparelho de ultrassonografia

Sempre atuante e em busca de ações que fortaleçam as políticas de saúde para o SUS em Porto Seguro, a gestora do muni...

Bolsonaro rejeita proposta de minireforma eleitoral, Congresso perde prazo, e Davi Alculumbre enterra definitivamente a estratégia de Ubaldino Junior

Na noite desta última quarta-feira, pouco antes do início da partida das semifinais da Copa Libertadores, o president...

Porto Seguro comemora inaugurações e importantes anúncios com a visita do governador Rui Costa

 Foi um dia histórico para Porto Seguro nesta segunda-feira, 30/9, com a visita do governador da Bahia, Rui Costa, do...

Quinze anos após ser afastado por corrupção, Ubaldino comunica seu retorno à política em Porto Seguro

O ex-prefeito Ubaldino Júnior usou o microfone da rádio de sua propriedade nesta segunda-feira, 23/09, para anunciar ...

Jânio Natal perde foro especial por fraudes em contratações de festas

O deputado estadual Jânio Natal vai responder na Justiça de 1° grau a um processo em que é réu quando foi prefeito de...

Dirigentes municipais de Educação se reúnem em Porto Seguro

O evento contou com a presença da prefeita Cláudia Oliveira; da secretária municipal de Educação, Janis Souza; do pre...